O Professor de Canto no Brasil

Olá professor (a) de Canto, Vocal Coach, Preparador vocal, não importa o termo que você prefira, a grande verdade é que nós somos pessoas com uma missão incrível, a de fazer com que outras pessoas dos mais diferentes níveis e perfis, sejam mais felizes depois de uma aula conosco.

Durante muito tempo a técnica vocal era fruto apenas da “empiria”, ou seja, experiencia pessoal de cada professor e mesmo após tantos avanços tecnológicos, muitos professores continuaram a ensinar a arte do Canto ainda baseado em suas próprias experiências.

Eles Ensinavam Errado?

Não, em absoluto, todo método funciona quando você se propõe a executar as tarefas/procedimentos que ele propõe; a vasta obra européia dos séculos passados nos provam isso historicamente; é inegável o trabalho desses grandes professores que através de muita habilidade/experiência/talento conceberam os maiores Cantores Eruditos/Clássicos da história.

A grande questão é: Porque não usar a Ciência se ela está de braços abertos a todos?

Essa indagação foi a base de um forte embate entre duas vertentes:

De um lado os “Empiristas“, Professores de Canto que se baseavam na tradição/experiência, do outro lado os Cientistas Vocais, professores que influenciados por Garcia II passaram ensinar técnica vocal usando noções de fisiologia.

O Cisma Europeu

Francesco Lamperti que foi um célebre professor e líder do Conservatório de Milão em 1850 defendia que falar de Fisiologia da Voz não era papel do Professor de Canto;

Browne e Behnke em 1890 declaram que certamente um Professor de Canto que tenha conhecimento de Fisiologia da voz obterá melhores resultados com seus alunos;

Citação original:

It is clear that a teacher of singing or of elocution who is thoroughly and practically acquainted with the anatomy and physiology of the parts over which he is to give his pupils control, and who can skillfully examine a pupil’s larynx, and direct its movements, is, other qualifications being equal, in a position to produce better results than one who is deficient in such skill (Browne and Behnke 1890, 7).

Tinham também os professores que preferiam um equilíbrio na metodologia tais como:

Enrico Delle Sedie, em seu livro “ Esthétique du chant et de l'art ” que afirmava que ainda que o uso do laringoscópio (que trouxe muitos avanços no conhecimento da voz cantada), não era viável, pois o cantor tinha que mudar a posição ideal da língua colocando para fora e isso alterava a posição da laringe. Obs: muitos professores usavam o laringoscópio na própria aula.

O embate perdurou por anos e envolveu os maiores professores da história, de Garcia II 1835 a Richard Miller 2009, e o que ficou foram os muitos livros que basificaram a história da evolução pedagógica vocal e para nossa sorte hoje temos acesso a tais discussões que fizeram nossa Arte chegar a um patamar jamais pensado antes.

O Papel do Professor

A história da humanidade nos mostra que em tudo, exatamente tudo nós buscamos solucionadores de problemas; em todas as profissões, a principal premissa é “resolver um problema” se você está doente você vai ao médico (que estudou anos) e ele te aponta uma solução.

Quando olhamos para a Técnica Vocal não é diferente, embora exista uma infinidade de motivos que levam um aluno até a sua sala de aula, todos eles buscam algo, e cabe a nós trazer soluções que atendam a tais necessidades.

Quebra de paradigmas

Sempre foi muito comum no Brasil, quando cantores percebiam alguma dificuldade vocal, principalmente cantores de “rock”, ou bandas de Baile onde o repertório é muito vasto, buscarem um professor de Canto, e na maioria dos casos o professor dizia que fazer “aquele tipo de voz era errado”; o cantor voltava para casa desmotivado, mas não deixava de cantar do jeito que ele queria e a vida seguia ...

Porque os professores diziam que era errado?

Porque nas dec. de 80/90 o Brasil ainda estava engatinhando na Pedagogia Vocal, a grande “maioria” dos nossos professores não eram antenados com a Ciência Vocal, com os novos descobrimentos que desde o começo do Séc. XX já afluía pelo mundo a fora.

O Brasil Vocal mudou

Hoje em dia, com os avanços da ciência vocal, já sabemos que verdades que antes eram absolutas, deixaram de ser e que certos paradigmas vocais foram caindo por terra.

Hoje no Brasil a Pedagogia Vocal está em alta, em 2018 tivemos a 3ª edição do Congresso VozPró com mais de 20 profissionais falando Tudo Sobre Voz e tivemos também o lançamento do Curso de Pedagogia Vocal Online Singer Teacher, para professores e isso mostra o quão motivado o Studio Marcio Markkx está nesta missão que de disseminar conhecimento, e essa é a palavra-chave: ”Conhecimento”.

A importância do Conhecimento

Você que é professor de Canto precisa abraçar o conhecimento por 3 motivos:

Em primeiro lugar: Seu trabalho é valorizado.

Nunca o currículo do professor foi tão pesquisado como na atualidade; as pessoas buscam alguém que saiba o que está fazendo, o conhecimento valoriza seu nome; um professor de Canto que não estuda, que não se recicla, está condenado a ficar para trás com certeza.

Em segundo lugar: Suas aulas são objetivas.

Quando você tem conhecimento, suas aulas fluem melhor, você sabe passar os exercícios que realmente vão funcionar para o aluno, suas aulas não serão mais em “série”, chatas e sem novidades.

Em terceiro lugar: Você se mostra responsável com aqueles que te elegeram para ajuda-los

Nós lidamos com vidas, com pessoas que tem seus objetivos, e elas depositaram em você a confiança/responsabilidade de guia-las no caminho.

Quando você busca conhecimento, seus passos são mais objetivos e você chega mais fácil nos melhores resultados e ainda mais, você dorme tranquilo sabendo que está fazendo a coisa certa e que seus alunos estão em ótimas mãos.

Sobre o Autor

Vocal Coach a mais de 15 anos, pesquisador dos fenômenos sociais que nutrem o desenvolvimento da Voz Cantada.

Atualmente é coordenador pedagógico de uma grande Escola de Música em Guarulhos - SP e alimenta um blog de Técnica Vocal.

Participe da Próxima Turma

Deixe seu e-mail para receber informações